Archive | Praga RSS for this section

Uma das cidades mais bonitas da Europa

A Fê e eu estamos beeeeeem atrasados em relação ao que gostaríamos de escrever, mas vamos aos poucos colocar as histórias em dia. Aproveitando umas dicas que mandei para um casal de amigos, este post é sobre uma das cidades mais bonitas que já visitamos – apesar de não ser um destino tão conhecido para […]

Depois de Paris… Praga

Neste post a Fê falou sobre uma foto gigante de Paris, que pode ser explorada em 360 graus e zoom.

Fuçando alguns emails antigos, encontrei este link para uma foto parecida, mas desta vez de Praga. A curiosidade é que ela foi produzida a partir da TV Tower, considerada o segundo prédio mais feio do mundo 🙂 Como o hotel em que ficamos era perto da torre, pudemos ver em primeira mão a elegância deste edifício 😀

Aproveite e veja outras fotos no site da empresa que criou esta de Praga!

O que e onde comemos em Praga

E a história continua… Muito porco e muita batata… hehehe

Logo no primeiro jantar em Praga fomos a um restaurante típico e muito bem avaliado e nos demos muito bem! Logo que chegamos um casal de senhores na mesa ao nosso lado recebeu seus pratos, ele um belo joelho de porco, ela uma bela costela de porco. Nós pedimos o mesmo, e só invertemos os pratos, eu um belo joelho de porco, Dú uma bela costela de porco. Não há palavras para descrever a textura e sabor dessas maravilhas. Só indo para conferir. Pratos muito bem servidos, carnes mais do que macias, tempero muito especial, só queria mesmo que meu sogro estivesse lá comigo. Ele, assim como eu, adora uma carninha de porco e o meu joelho estava uma coisa de louco! Anote aí: o restaurante é o U Pinkasu. Imperdível!!

Dia seguinte estávamos passeando pelo palácio de Praga (MA-RA-VI-LHO-SO!!! Só o dia estava meio nublado 😦 ) e rodamos pelos arredores a procura de um restaurante. Caímos no Restaurant U Labutí. Ambiente legal, tudo com muita madeira e o teto em forma de abóbada: LINDO! Na parede algumas telas… bem… para o nosso gosto, horrendas. Umas mandalas mega manjadas… Nada a ver! Mas a comida é o que importa, certo? Atacamos de pratos típicos! O Dú comeu uma carne de porco com um molhinho bem suculento, geleia de frutas vermelhas e fatias de dumplings com bacon, claro! Estava muito saboroso. E eu fui de Wiener schnitzel, um belo escalope de porco empanado com purê de batatas e bacon (claro!), um típico prato austríaco. E para encerrar um apfelstrudel gostoso.

Como já estávamos em um ritmo assustador em termos de comidas gordurosas, apostamos em um jantar mais leve. Fomos ao Blatnička Slovácká Vícha (Michalská, 511/6), o salão fica no subterrâneo e a parte (bem) chata é que é permitido fumar! Juro que não consigo entender por que os fumantes têm mais direito do que quem não fuma. Será que eles não percebem que querendo ou não eles estão desrespeitando o meu espaço com a m**** da fumaça! Argh! Anyway, depois de termos nosso olfato prejudicado atacamos de frango com molho de vinho e cogumelos e uma levíssima truta, o Dú e eu respectivamente. 🙂

Mas no almoço do dia seguinte não fomos tão parcimoniosos, não! Atacamos umas costelas de porco lin-das no Restaurace Klementinum (Kozi 803/12, Praha 1, 110 00, Tel.: 222 212 697). Ah! E de entrada uma tábua de queijos muito boa! 😀

Com o sentimento de culpa batendo à nossa porta queríamos nos redimir com um jantar leve, na verdade só queríamos algo para beliscar. Rodamos, rodamos e paramos no Fusion Cafe-Bar (Husova 232/10). Um Café-Bar moderninho, mas que precisa muito aprimorar seus pratos. As opções são boas, mas o preparo fica muito à desejar. O Dú comeu uma bruschetta que era uma fatia de pão com um monte de tomates em cima e mais nada! E o meu carpaccio, bem, já comi, ou melhor, deixei de comer muito piores, mas esse ainda tem muito o que melhorar. 😦

Procurávamos um lugar sem cigarro para comer, mas foi quase impossível. Aí decidimos ir no Cafe ~ Cafe, pois tínhamos visto boas indicações, e cigarro-por-cigarro ficamos em um com um ambiente beeem legal e comidinhas muito interessantes. O Dú comeu um risoto interessantíssimo de camarão chili-agridoce e eu comi um toast de atum bem leve e saboroso. 😀 O lugar é muito bacana e para quem adora um sobremesa, vai pirar. A vitrine de doces é linda de morrer. Mas dessa vez, nos controlamos.

No nosso último jantar, resolvemos ficar por perto do hotel e fomos no Mozaika Prague Restaurant. Também vimos boas referências e resolvemos apostar! O ambiente é muito bonito, bem moderno, mas aconchegante ao mesmo tempo. A cozinha é internacional o que faz o cardápio ser bem variado. O Dú foi de salmão com purê de bata com wasabi e eu de sushi de salmão. A apresentação dos pratos é bem caprichada, mas o sabor não responde à beleza. E o arroz do sushi estava bem mal cozido. Acabei dando o feedback quando o garçon retirou os pratos e gentilmente recebemos a sobremesa como cortesia, a qual estava per-fei-ta. Esse é um restaurante que tem futuro, mas definitivamente precisam investir mais no chef.

Leste Europeu e nossas dicas práticas

Como já comentei no post anterior ainda temos muita coisa para contar sobre nossas últimas experiências e agora só fizemos acumular mais e mais histórias.

Aproveitamos nossa fase cigana e planejamos mais uma viagem até que algumas decisões pudessem ser tomadas. Resolvemos traçar uma rota mais para o leste europeu aproveitando uma entrevista que o Dú teria em Ljubljana, capital da Eslovênia. Começamos por Berlin (4 noites), Praga (4 noites), Viena (3 noites), Ljubljana (2 noites) e finalmente Budapeste (5 noites).

Vou começar com as dicas práticas, assim já fica disponível a informação para aqueles que pretendem ou estão planejando uma viagem para essas bandas. A primeira dica é: Vai em frente…. Cada um desses lugares é singular e vale muito, muito a pena!!!!

Transporte

Bruxelas/Berlim – Saimos de Bruxelas via EasyJet, uma das companhias de baixo custo que são uma mão na roda. Os tickets de trem estavam muito caros nesse trajeto.

Berlim/Praga  – Fizemos de trem. Esse trecho você consegue comprar online no site da BD Bahn.

Praga/Viena – Fizemos de trem também, mas esse não é possível comprar online. As dicas que li diziam para comprar na própria estação e foi o que fizemos assim que chegamos em Praga.

O ideal seria fazer Viena/Budapeste, mas como a entrevista do Dú estava agendada fizemos Viena/Ljubljana… 6h30 de trem e os tickets não foram tão baratos assim :(.

Ljubljana/Budapeste também fizemos de trem e esse trecho foi dureza… 8h30 com “apenas” 28 paradas saíndo de Ljubljana às 6h50 da matina. Imagina o nosso bom-humor… Um suplício. Mas pagamos 29,00 Euros cada ticket e de avião sairia mais de 300,00 pilas para cada… Então tentamos nos conformar. Mas como diz o ditado tudo o que é ruim pode piorar… hehehe… Depois de umas 5 horas de viagem recebemos a notícia que o trem não poderia seguir seu rumo em virtude de problemas na via férrea por conta do derramamento que ocorreu há alguns dias de lama tóxica. Paramos no meio do nada, descemos e pegamos um buzão. Depois de muito sacolejo, voltamos para a via férrea e pegamos um novo trem, mas dessa vez estava mais para um pau-velho que para um trem. E por conta disso me lembrei de outra dica prática que só é realmente útil em situações como essas. Tenham sempre um kit básico de limpeza: álcool em gel, lenço umedecido e lenço de papel. Parece coisa de gente neurótica, né!? Se você respondeu que sim, isso quer dizer que você nunca esteve na China e que se você se deparar com um trem mal conservado como esse aí… ui… Não queria estar na sua pele!

Ah! E em viagens de trem normalmente passamos antes em um supermercado para levarmos um lanchinho mais gostoso e mais econômico… Mas nessa última não deu tempo e é claro que não tinha restaurante no trem. O que nos salvou foram dois pedaços de pizza de um Kebab que compramos na estação de trem.

E finalmente Budapeste/Bruxelas. Mais uma vez usamos uma companhia de baixo custo, dessa vez foi a WizzAir, baratinho e conveniente. 🙂

Hospedagem

Quanto às hospedagens usamos sempre o Booking.com. É ótimo e o melhor de tudo são as avaliações e comentários, ajudam muito!!

Em Berlim ficamos em um apartamento do InnSight City Apartments. Ótimo! Além de espaçoso a localização era muito boa. Para café-da-manhã passávamos no supermercado no dia anterior e comprávamos iogurte e pão, além de muitos chocolates :-D. Mega conveniente e ainda econômico.

Em Praga ficamos no Hotel Sieber. Uns 200 metros de uma estação de metro. Quarto bem grande e espaçoso, cama e banheiro bem bons, café-da-manhã gostoso (serviam uma baguete diretamente do forno, di-vi-na)… Ótima opção também. Somente a Internet deixava a desejar, era muito instável.

Em Viena ficamos no Mariahilf Hotel-Pension. Está mais para uma pensão do que para um hotel. Quarto e banheiro bem pequenininhos. Colchão maravilhoso, o melhor de todos que já ficamos, Internet muito boa (e por apenas 8 euros o período), café-da-manhã bom e literalmente na boca da estação de metro. Mega conveniente. Se você for ficar pouco tempo e não se incomodar em ficar meio apertadinho, recomendo.

Em Ljubljana nos hospedamos no Hotel Park, perto da estação de trem, simples, mas espaçoso e bem limpinho. O café-da-manhã também era bem gostoso e a Internet apenas no Lobby, mas nosso quarto era no segundo andar e perto da janela pegávamos o WiFi do Lobby… hehehe…

Agora em Budapeste a história mudou um pouco. Por não ser alta-temporada conseguimos uma tarifa suuuper legal no Eurostars Budapest Center… Um 4 estrelas. Que chique! Primeira vez em um! Acho que uma descrição não se faz necessária… Mas quarto super espaçoso, banheiro grande e lindo, piso do banheiro aquecido (isso você leu direito), cama enorme, colchão e travesseiros ótimos e ainda no meio de duas estações de metro. Melhor impossível.

É isso aí. Se precisar de mais alguma informação prática que não considerei aqui, estamos às ordi. 😀 Fique à vontade em nos perguntar.

Ah! Quanto ao tempo em cada uma das cidades somente em Ljubljana ficaríamos mais… Na verdade não conseguimos ver muita coisa. Já nas outras, o tempo que ficamos é bem OK, isso se você estiver planejando para visitar apenas essas cidades mesmo, sem fazer nenhuma viagem menor para cidades vizinhas. Em Budapeste acabamos ficando uma noite a mais que o planejado por conta da passagem de volta para Bruxelas… No final das contas sairia mais barato ficarmos uma noite a mais.

Para locomoção em todas essas cidades o melhor é o transporte público, especialmente o metro. No geral não é muito caro e a rede é muito boa. Onde não tem metro tem tram ou ônibus. Carro ou táxi só se você for muito a fins mesmo…

Colecionamos um montão de cartões de restaurantes de cada uma das cidades que fomos… Mas essas dicas ficam para um próximo post. 😀