Arquivo | Roma RSS for this section

Onde e o que comemos em Roma

Chegamos no hotel em Roma já era bem tarde… passava de 22h30. Pedimos uma indicação de restaurante para o pessoal do Hotel e eles nos indicaram o Ristorante Pizzeria Al Giubileo. E lá fomos nós! Um restaurante bastante típico e muito aconchegante.

Como já era tarde não tinha muita gente, mas o garçom nos atendeu muito bem… Quando soube que éramos brasileiros se pôs a falar feito um… italiano… hahaha

Pedimos um spaghetti à carbonara simplesmente maravilhoso. A pasta estava divina e o molho era simplesmente tudo o que eu poderia imaginar. Sempre quis comer um carbonara verdadeiro e finalmente chegou o dia. Começamos bem.

O Dú pediu um penne ao molho vermelho e picante. Ele adorou, mas eu nem experimentei. Estava entretida demais com o meu spaghetti. Para acompanhar um vinho da casa. Não muito forte ou encorpado… um típico vinho da casa!

De sobremesa, como não poderia deixar de ser, um tiramisù divino! Que Deus nos ajude! Com essa comida boa vai ser difícil resistir.

Em 23/Dez almoçamos no Pizzeria e Ristorante Imperiale (Largo Corrado Ricci, 37). Fica bem pertinho da saída lateral do Palatino. O garçon que nos atendeu era brasileiro… Eita mundo pequeno. Comemos pizza e estava uma delícia! Para mim está mais do que confirmado que é mito que a pizza na Itália é horrível, como muita gente diz. O que acontece, na minha opinião, é que as pessoas são muuuito fixadas e mesmo viajando não se abrem para experiências novas, muito menos para experiência gastronômicas.

Jantamos no Est! Est! Est! dei Fratelli Ricci. Na verdade saímos em direção a outro restaurante, mas como não achamos, resolvemos arriscar esse. Ele fica escondidinho em uma rua sem saída, mas é super charmoso, bem simples, lembrando até um bar dos anos 50. O Dú comeu uma pizza, que estava divina e eu comi uma salada, que estava muito boa também, bem fresquinha! Tomamos o vinho da casa, nada demais, mas um bom vinho da casa. Só a sobremesa nos decepcionou… tinha o aspecto daquelas bem insdustrializadas. Mas o local e a pizza valem o retorno. Ah! A mesa ao lado pediu um prato de entrada que era um mix de frutos do mar e peixe frito… parecia uma delícia!

No dia 24/Dez só comemos um lanche na lanchonete do Castel Sant’ Angelo mesmo. E, como era noite de Natal, tentamos jantar no Ristorante Santa Cristina al Quirinale, que tinha uma excelente avaliação, mas não tinham mais mesas disponíveis. Então jantamos no restaurante de um hotel, o The Glass Bar & Restaurant. Estava uma delícia! Comemos um salmão empanado em farelo de pão e grelhado no azeite e de acompanhamento brócolis e cogumelos. A sobremesa foi uma prato com os típicos doces de Natal: Panetone, castanhas, frutas secas… delícia!

No dia 25/Dez resolvemos parar em um dos restaurantes que encontramos pelo caminho da nossa andança. O Ristorante That’s Amore 2. Um lugar agradável, mas pelo menos naquele dia, um pouco bagunçado. Havia somente uma garçonete que não parecia conhecer tudo. A mesa ao nosso lado chegou depois e recebeu os pratos antes. Ela checou duas vezes o que havíamos pedido e somente quando uma segunda garçonete, visivelmente mais esperta, chegou é que o negócio começou a andar. Comi um carpaccio, que estava deliciosamente temperado, mas carne não era das melhores, tinha muito nervo! O Dú comeu um nhoque ao molho de gorgonzola que estava bom… Infelizmente esse não é um restaurante que voltaríamos ou que indicaríamos. 😦

Por precaução fizemos reserva no Ristorante Santa Cristina al Quirinale para o jantar. É um restaurante familiar, mas definitivamente o melhor ambiente e os melhores pratos que comemos em Roma. O Dú comeu uma carne ao molho de mel e pimentas e eu uma massa ao molho de abobrinha com as flores da abobrinha fritas… Ambos estavam divinos! Infelizmente não tinha mais tiramisù… Mas da próxima vez ele não nos escapa. heheh


A emocionante Roma

Esse post é o primeiro de uma série que pretendo escrever sobre nossa viagem à Itália. Para tentar organizar as coisas, vou separar os causos em diferentes posts. Vou escrever sobre 1. as minhas impressões (meio filosóficas, como sempre), 2. os lugares que visitamos e conhecemos e, como não podia deixar de ser, 3. a gastronomia, ou a perdição italiana. Além de algumas curiosidades. Espero que vocês aproveitem!

Roma é um desbunde. A princípio uma cidade grande com bastante gente (você esbarra em brasileiro por todos, todos os lados), muito conhecida por seus monumentos históricos e claro, com o Vaticano ali do ladinho.

Mas definitivamente não é só isso.

Roma tem um ar… um ar diferente. É difícil de explicar, mas acho que tem a ver com todo o lance da história, e olha que eu não sou a pessoa mais conhecedora de história, hein!?

Mas o que acontece é que quando você está aberto a viver, o que quer que seja que a cidade tenha a lhe oferecer… é uma maravilha. E não estou falando de religião.

As construções são enormes. Pena que as fotos não traduzam a real dimensão. As ruínas são incríveis, elas têm vida. Você pode sentir.

Por vezes, principalmente quando vi a Via Sacra do alto do Monumento a Vittorio Emanuele II e quando estávamos lá, na própria Via Sacra, fechava meus olhos e me transportava para outro tempo.

Fico apenas me perguntando se meus filhos, netos também terão a oportunidade de viver essa experiência, porque é uma p. experiência, viu? Me pergunto isso porque durante toda a viagem nos deparamos com turistas muito sem consciência, para não dizer outra coisa… mas vou deixar para comentar e mostrar fotos sobre essa triste constatação em outro post.

Em qualquer rua que você ande você vê a história, seja nas construções, seja nos bustos e estátuas espalhados por toda a cidade. Se você não se fixar apenas no roteiro que traçou ainda tem a oportunidade de esbarrar em portas abertas que escondem jardins internos lindos e calmos…

A perfeição das esculturas é outra coisa que impressiona. Como pode numa época com tão pouco desenvolvimento industrial se construir tanta beleza…. talvez o mais simples seja realmente o mais belo!

Algumas ruazinhas escondem um charme especial. Igrejas e Museus não faltam para se visitar. Até ficar sentada na fonte da Piazza Del Popolo olhando as crianças estourarem as bolas gigantes de sabão que um senhor fazia foi especial. A suntuosidade das Igrejas não esconde a guerra de poder da época. Mas mesmo assim são verdadeiras obras de arte.

Até o elevador do nosso hotel era especial. Sabe aqueles bem antigos de ferro, que você abre a porta de ferro, abre a porta do elevador, você entra, depois fecha a porta de ferro e então fecha a porta de dentro… Achei o máximo!

Os romamos são italiamos clássicos: falantes e expressivos (inclusive com os braços… não apenas com as mãos). Muito gentis, especialmente quando falamos que somos brasileiros. Nos fazem sentir confortáveis desde o início.

Finalmente, para mim Roma é uma cidade para ser experienciada pela alma

Ah! A Itália!!!!

Voltamos!

Nossa como passou rápido, mas ao mesmo tempo vivemos tantas coisas diferentes que está difícil organizar para escrever aqui para vocês.

Decidi então, facilitar a nossa vida e adiantar um pouco da nossa viagem à Itália através de imagens… que sem dúvida traduzem, de forma muito mais fidedigna que qualquer texto, nossas experiências dessas duas últimas semanas  😉

A emocionante Roma…

A singular Veneza…

A intensa Florença…

A tumultuada Milão…

Ah! E como não poderia deixar de ser… desejamos à todos um 2010 simplesmente DEZ! 😀