Arquivo | Delft RSS for this section

Delft, Holanda

Mais uma decisão no susto e… Vamos viajar!

Queria muito ir visitar o Keukenhof, famosa exposição de tulipas que anualmente ocorre na Holanda. Foi como o meu presente de aniversário. 😀

Tinha um ônibus que saia de Leuven às 7 da matina, fazia um percurso louco e chegava lá lá pela 1 da tarde, mas decidimos fazer outra coisa: Pegamos um trem com destino à Delft, a famosa cidade das porcelanas pintadas à mão em azul. Assim aproveitaríamos para conhecer Delft, depois em 30 minutos (de trem) iríamos para Leiden, também conheceríamos a cidade e em mais trinta minutos (de busão) chegaríamos no Keukenhof! Essa foi uma decisão mega boa! 😀

Chegamos por volta de 19hs em Delft e para nossa surpresa o hotel era um mega hotel (Hampshire)… hehehe… Deixamos as coisas e fomos bater pernas. Essa é uma das grandes vantagens da primavera/verão na Europa…Anoitece beeem tarde!

A cidade é muito lindinha. Super pequena, bem parecida com Amsterdam, canais por todo o lado e muito tranquila, talvez porque fosse dia de semana e véspera de feriado.

Paramos para jantar no Café Restaurant Royal. Comidinha boa, ambiente bem rústico (tinha até um quadro de uma vaca em cima da lareira 😉 ) e o mais legal é que parece que todos se conhecem. Todos que entravam cumprimentavam quase todo mundo que estava lá. O povo mudava de mesa para bater-papo e tinha alguns que entravam, cumprimentavam todo mundo, tomavam uma cervejinha do bar e iam embora… Coisas de cidade pequena. 😛

Tiramos algumas fotos da noite em Delft e fomos para o hotel descansar, pois no dia seguinte rumaríamos à Leiden/Keukenhof. Ao chegarmos ao hotel nos demos conta que esquecemos a pasta de dente… ai… pelo menos tínhamos um fio dental para quebrar o galho. 😆

Segundo dia foi dia de Keukenhof e Leiden, mas esse é um causo para outro post. 😉

Terceiro dia passeamos por Delft. Era um sábado e a cidade estava super movimenta e para a nossa sorte estava rolando uma feira de antiguidades, como aquelas da Benedito Calixto, à beira dos canais… Um charme!

Vimos também uma criança e um dos vendedores da feira usando o sapato de madeira tão característico da Holanda. Lindinhos!

Visitamos as igrejas Velha e Nova (Oude Kerk de 1246 e Nieuwe Kerk de 1351… e ainda a chamam de nova 🙂 ), lindas! E os órgãos então?! E como somos mega sortudos, enquanto visitávamos uma delas, começaram a tocar o órgão… Mágico! Senti como se as notas musicais fossem um belo e singelo bálsamo. Obrigada Deus!

Paramos para um almoço rápido e bem gostoso ao Sol. Ah! O Dú já contou sobre a cerveja que ele tomou nesse post aqui.

Logo depois fomos para a estação para voltarmos para Leuven, mas antes uma paradinha da padaria para comprarmos mais duas tortinhas de castanhas que havíamos experimentado quando voltávamos de Leiden no dia anterior. 😀 Prazeres da vida!

Ah! Mais uma curiosidade: Assim como em Leuven e Amsterdam as bicicletas estavam por todo lado. Encontramos até um guardador de bicicletas que parece um daqueles potes de pão de forma, manja?

Cervejas locais

Apesar de ter estado incrivelmente ocupado desde janeiro (primeiro com uma pilha de cursos e assignments; depois com a viagem para a China; agora com nosso In-company project e com os preparativos para o Giving Something Back project), é claro que não deixei de experimentar outras cervejas 🙂

Para retomar o assunto, duas cervejas que só mesmo estando aqui para experimentar. As duas tem muito em comum: são tripel (uma strong pale ale “inspirada” na Westmalle Tripel comum basicamente na Bélgica e Holanda), são produzidas em duas cidades pequenas (Leuven e Delft, no caso), são difíceis de encontrar e são muito boas.

Encontrei a Leuvense Tripel em um bar aqui em Leuven que tem no cardápio 100 cervejas (estou atrasado com a degustação… :P). O site http://www.leuvensetripel.be/ deveria funcionar, mas nada feito… Talvez eles estejam muito ocupados produzindo (ou consumindo) a cerveja….

Já a Delftsche Historische Bieren experimentei em um restaurante de Delft (eu sei, a Fernanda ainda tem que escrever sobre esta viagem :P). Perguntei para a garçonete que nos atendia que cerveja eles tinham; começou a lista de cervejas desinteressantes: Heineken, Stella, blabla. “Nenhuma local?”, perguntei. Parecendo um pouco surpresa, ela responde: “Sim, uma tripel tradicional aqui em Delft”. Ela já pareceu contente quando eu disse que queria experimentar a cerveja da cidade, mas pareceu ainda mais feliz quando pedi a segunda :D. Se quiser treinar seu holandês, vá para o site deles: http://www.bierhistoriedelft.nl/

Mas agora indo ao que interessa, as duas são bastante semelhantes: claras mas com uma coloração forte, encorpadas, saborosas e fortes. O aroma também é bem típico das tripel (até hoje nenhuma me deixou na mão). A de Delft era tão boa que até me deu vontade de procurar umas garrafas para trazer de trem para Leuven :).

É isto, caso se depare com uma garrafa de cerveja belga ou holandesa escrita “Tripel”, pode comprar sem medo de se arrepender!