Archive | maio 2012

Fortaleza de Bourtange

De Groningen fizemos um day trip para Bourtange, uns 60 Km em direção à fronteira com a Alemanha. Esta fortaleza foi construída no final do séc. XVI, permanecendo ativa até a metade do séc. XIX, quando foi abandonada.

bourtange01Foto: Hannes, disponível aqui sob os termos da GNU Free Documentation License

A fortaleza impressiona pelo formato: um forte-estrela, forma desenvolvida em resposta às mudanças no campo de batalha causadas pelas armas de fogo. No seu interior, uma pequena vila, em grande parte reconstruída para ser um museu a céu aberto.

bourtange02

Você realmente parece voltar no tempo, não só pela reconstrução mas também pelas pessoas que andam por ali vestidas em trajes típicos de época (não sei se são atores, voluntários ou funcionários do museu). Aos domingos um dos canhões é disparado e em agosto uma batalha é re-encenada (mesma coisa que acontece em Waterloo, na Bélgica). Mais informações aqui.

bourtange03 bourtange04

bourtange05

Ainda dá para entrar no moinho funcionando (cuidado com a escada íngreme e com a muvuca causada pelo espaço restrito).

Resumindo: Bourtange é uma ótima sugestão de passeio se estiver visitando o norte da Holanda (ou da Alemanha, já que ela está na divisa). E aproveite para almoçar por ali mesmo – o restaurante parece ser bom e com sorte ainda arrumará uma mesa do lado de fora, voltada para a praça central da pequena vila.

Anúncios

Nossas dicas práticas para Barcelona

DicasBarcelona01

Ainda não conseguimos escrever o tanto que gostaríamos sobre Barcelona, mas como a fila já andou e temos que escrever sobre mais algumas viagens, vou pelo menos registrar algumas dicas úteis. Não será um post muito detalhado, mas vai ajudar caso esteja programando uma visita à capital catalã.

Como chegar e como se movimentar

Fomos de avião, direto de Eindhoven para El Prat, o aeroporto que fica a apenas 12 Km de Barcelona. A conexão de trem do aeroporto para a cidade é muito boa, não há a menor necessidade de pegar um táxi. Mais cômodo impossível. Outro detalhe é que várias companhias aéreas de baixo custo operam em El Prat, o que é uma vantagem. Entre elas a Vueling, baseada lá mesmo em El Prat.

Barcelona não é gigante, mas é grande o suficiente para que você tenha que se organizar um pouco. Nossa “estratégia” foi ir de metrô até um ponto central para o que queríamos visitar e de lá passear a pé. Mais detalhes abaixo.

DicasBarcelona03Eu evitaria aqueles ônibus turísticos de 2 andares, super comuns em muitas cidades européias. Por três simples razões: primeiro porque, no geral, eles não fazem nada de muito especial. Você vai até as atrações principais, tem um áudio com alguma informação interessante e é só isso. Dá pra fazer tudo sozinho com um pouco de planejamento. Segundo porque vimos filas enormes para embarcar no ônibus, na baixa temporada! Fico imaginando o inferno que deve ser na alta temporada. Terceiro porque o metrô é ótimo, extenso e relativamente barato. Além de conhecer melhor a cidade você ainda evita carimbar “turista” na testa Smile Mas fique atento – não tivemos problema algum, mas li vários casos alertanto para furtos e pickpocketing no metrô. Na hora de comprar os tíquetes, prefira o de 10 viagens ou os para 1, 2 ou 3 dias.

O que fazer

Como ficamos alguns dias em Barcelona pudemos nos organizar de modo a visitar uma área que nos interessava por vez, com calma. Fizemos mais ou menos o seguinte (sem ordem cronológica):

  • DicasBarcelona02Dia 1: Cidade Velha (Ciutat Vella), especialmente o Barri Gótic, mas também a área do Port Vell e, é claro, Las Ramblas (foto)
  • DicasBarcelona05Dia 2: dia Modernista, passeando por Eixample e indo até o Parc Güell (que fica mais afastado, portanto organize seu tempo!). No caminho do parque, uma paradinha na Casa Vicens, o primeiro projeto de Gaudí (foto: Palau de la Musica Catalana)
  • DicasBarcelona04Dia 3: Montjuïc, bela vista panorâmica de Barcelona a partir do seu castelo e do parque que sobe o monte. Fica aqui o museu Miró
  • DicasBarcelona06Dia 4: basicamente a Sagrada Família, mais uma voltinha um tanto aleatória pelo Barri Gótic. É lógico que depende do interesse, mas eu visitaria a Sagrada Família sem pressa – não perca o subsolo, especialmente para ver como Gaudí encontrou uma forma engenhosa de projetar outra igreja – usando uma “maquete” de ponta-cabeça. Super dica para a Sagrada Família: compre seu ingresso de entrada em qualquer ATM do banco La Caja e fuja das filas da entrada. Infelizmente não dá para fugir da fila para subir a torre (compre outro ingresso ao entrar, caso queira), mas nem sempre dá pra ter tudo
  • Day trip 1 – Montserrat (leia o post). Vale muito a visita, mas se programe para sair cedo, senão estará em um trem lotado de turistas indo para o mesmo lugar
  • Day trip 2 – Museu Dalí, em Figueres (post!). Só vale se quiser visitar o museu, pois Figueres em si não é muito interessante

Onde comer

Leia os já tradicionais posts da Fernanda sobre os restaurantes onde comemos: parte I e parte II.

Onde ficar

DicasBarcelona07Como já disse, o metrô funciona muito bem e a cidade é um tanto “espalhada”. Então, a não ser que vá ficar pouco tempo e tenha um interesse bem específico, não se preocupe muito em ficar em um hotel central. Procure sim um bem localizado – o que quer dizer perto de uma estação de metrô e, preferencialmente, não muito longe das principais estações de trem – Plaza d’Espanya e Sants.

É isto, espero que estas dicas sejam úteis. Aproveite e dê uma olhada na nossa galeria de fotos de Barcelona para entrar no clima da cidade!

De Molen Rook & Vuur

O que esperar de uma cerveja chamada “Fumaça & Fogo”? Não tinha a menor ideia, mas fiquei tão curioso que não deu para evitar comprar uma garrafa.

O rapaz da De Molen nos explicou que nesta cerveja eles procuraram balancear dois estilos: Smoke e Spice beers, e que tinham ficado muito satisfeitos com o resultado. O cada vez mais confiável beeradvocate a classifica como uma Rauchbier, explicando que este é um estilo antigo alemão, que usa fogueiras de faia (um tipo de árvore) para secar o malte ainda verde. É isto que confere a ela um “esfumaçado” único, tão forte e assertivo que você meio que tem que aprender a gostar do estilo.

rookvuurBem, digamos apenas que eu não passei em Rauchbier 101. No copo ela produz uma quantidade absurda de espuma, provavelmente muito mais do que seria necessário/desejável. Sua cor é bonita, marrom-para-preto, mas nada especial. A fumaça já dá as caras no olfato (junto com um toque de pimenta/especiarias), mas só aparece com toda a força quando você dá um gole. Primeiro você fica surpreso, pois é exatamente como se você estivesse “bebendo” fumaça. Logo em seguida, porém, tudo que eu sentia era aquele gosto de fumaça na boca, tão forte que se tornou desagradável. Engraçado foi ver a Fernanda (literalmente) torcendo o nariz depois de um pequeno e cauteloso gole.

Eu até tentei me acostumar ao estilo, mas esta foi uma das poucas cervejas até hoje que desisti de acabar. Pode ser que dê uma segunda chance às Rauchbiers, mas da próxima vez será com uma alemã. Ou, se estiver no Brasil, com uma Eisenbahn Rauchbier – muito bem posicionada entre as cervejas deste tipo.

Eindhoven um destino turístico?

Digamos que Eindhoven não é exatamente a primeira cidade que vem à mente quando pensamos em uma viagem para a Holanda (nem a segunda, terceira, quarta…).

Por isso foi uma surpresa quando vi Eindhoven na primeira página do Wikitravel – se você não conhece o site, ele funciona exatamente como a Wikipedia, mas apenas para destinos turísticos. Tem sido um ótimo ponto de partida quando queremos conhecer mais sobre alguma cidade. Mas como não podia deixar de ser, Eindhoven é um off the beaten path Winking smile

wikitravel

Curioso para ver o que o WIkitravel tem a dizer sobre Eindhoven? Clique aqui ou na imagem acima.

Belle-Fleur IPA e Houblon Chouffe Dobbelen IPA Tripel

Estas duas estão no mesmo post porque tem algo marcante em comum – são do estilo IPA, ou India Pale Ale.

IPAs nasceram na Inglaterra mas ganharam força nos EUA. O que você ler/ouvir sobre elas vai indicar uma cerveja extremamente amarga, com o lúpulo bastante pronunciado. Não gosta muito do amargor tipicamente associado à cerveja? Fique longe destas, porque não existe a menor chance de você gostar de uma delas.

Eu estava curioso para experimentá-las; a Houblon Chouffe está na lista de melhores, enquanto a Belle-Fleur foi uma aposta – não encontrei outra da lista, a Duvel Tripel Hop, na nossa viagem à Dranken Geers. O beeradvocate diz que são Belgian IPAs, um estilo ainda em desenvolvimento (nos EUA as Double IPA, mais fortes, também são comuns).

IPA01A Belle-Fleur, da Brouwerij De Dochter van de Korenaar, foi a primeira que experimentamos. Relativamente leve, com 6% de álcool, realmente tem um amargor impressionante, até mesmo inesperado. Não é apenas isso – ela também é super seca: a cada gole você sentirá todo o amargor e sua boca secando de forma inusitada para uma cerveja aparentemente leve e refrescante. Como ela é carregada de lúpulo, este predomina tanto no aroma quanto no sabor. Resumindo, uma cerveja muito boa.

IPA02Da Brasserie d’Achouffe, a Houblon Chouffe  é mais forte: 9% de álcool, bem comum para tripels. Também bastante amarga e seca, mas sem o mesmo equilíbrio da Belle-Fleur. Especialmente o aftertaste aponta para alguma coisa não tão redonda, prazerosa quanto a Belle-Fleur. Talvez seja o tal do “estilo em desenvolvimento”: ela “encalha” em algum lugar entre uma IPA e uma tripel, sem assumir de vez seu caráter IPA ao mesmo tempo em que se distancia de um tripel – pois é muito mais amarga. Temos mais uma garrafa desta – se minha impressão mudar atualizo o post.

Agora, curioso mesmo é que a Belle-Fleur não aparece no site da De Dochter e tem apenas 5(!) avaliações no BeerAdvocate. Teria sido uma edição limitada, ou talvez experimentação pura e simples? Pode ser que seja uma nova criação da cervejaria, que ainda não teve tempo de atualizar seu site (o que, aliás, seria muito bem-vindo Smile).