A Alemanha bucólica – Trier e o Burg Eltz

Em agosto tivemos alguns dias livres e resolvemos aproveitar o tempo bom para fazer uma viagem pelo vale do rio Mosela antes da Fê começar o mestrado – uma dica que recebi de um colega brasileiro daqui de Eindhoven.

O roteiro foi o seguinte: fomos de Eindhoven para Trier, depois para Cochem e finalmente passamos por Koblenz. Toda esta região é cheia de vinhedos, castelos e pequenas vilas construídas às margens do rio. Uma paisagem completamente diferente da de Berlim ou de outras grandes cidades alemãs.

Trier é a mais antiga cidade da Alemanha e – assim como Colônia – foi fundada pelos romanos. O interessante aqui é passear pela cidade e ver os vestígios de sua origem.

A Porta Nigra; a catedral de Trier e seu interior (2 fotos); o palácio com a basílica ao fundo; anfiteatro romano e suas fundações; centro de Trier. O Burg Eltz, seu interior e páteo interno.

O mais impressionante provavelmente é a Porta Nigra, um enorme portão romano que dá entrada ao amplo centro exclusivo para pedestres – muitas praças medievais, lojas, restaurantes, cafés e sorveterias para explorar. Ali próximo você encontrará a catedral (Dom) de Trier – muito bonita, também merece uma visita sem pressa. Andando um pouco mais, chega-se à basílica do imperador romano Constantino. É surpreendente a diferença entre esta basílica – romana – e a catedral – medieval. Colado à basílica está um palácio também muito bonito – seu jardim é um excelente lugar para descansar em um dia de sol. Se ainda estiver com disposição, dá para passar pelas termas e ir até o anfiteatro romano (este já é bem mais afastado). A sinalização para estes monumentos é boa, German-style. Eu quis ir até o anfiteatro porque é um monumento da Unesco, mas decididamente não é o que há de mais interessante para ver. Se estiver sem tempo, ou se não estiver a fim de caminhar até lá, não precisa se culpar caso não o visite.

Indo de Trier para Cochem paramos para visitar o castelo (Burg) Eltz, segundo o nosso guia de viagem, o “mais autêntico e notável do vale do Mosela”. Como não visitamos todos os castelos da região eu não posso atestar isto, mas com certeza este castelo vale a visita. Começa pelo caminho para chegar lá, que passa por campos e pequenas vilas com ruas super estreitas e aspecto descaradamente medieval. Você finalmente chega ao estacionamento – você e mais um bando de gente – e aí tem a opção de ir a pé até o castelo ou pegar uma van (1,50 euro por pessoa). Como a gente não queria perder tempo nem chegar suando, pegamos a van e – surpresa! – ao invés de subir nós descemos até o castelo, que fica bem no meio de um vale. Então se estiver disposto a esticar as pernas, desça a pé (aposto que ainda terá umas fotos ótimas) e pegue a van quando estiver voltando, pois a subida realmente é íngreme. Uma pena que uma área grande do castelo estava em reforma, o que prejudicou bastante as fotos. Mas ele realmente é muito bonito e preservado; há passeios guiados em inglês (sorry, no photos!) e uma exposição de armas, armaduras, jóias e outros utensílios. Acho que o fato do castelo não ter passado de comprador para comprador (no início eram 4 famílias, hoje uma delas é dona de todo o castelo) ajudou a mantê-lo preservado. Se a Fê ficou decepcionada com o castelo de Vianden, desta vez ela gostou bastante. Dois restaurantes estão ali instalados, caso queira almoçar em um legítimo castelo 🙂

Na próxima parte falarei de Cochem e Koblenz. Aguarde!

Anúncios

Tags:, , ,

Trackbacks / Pingbacks

  1. A Alemanha bucólica – Cochem e Koblenz « Cacau com Lúpulo - outubro 30, 2011

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: