Archive | novembro 2010

O que e onde comemos em Viena

E a comilança não tem fim… Já na estação de trem, ao chegarmos em Viena, verdes de fome, matamos uma pizza… 🙂

À noite rodamos o centro da cidade em busca de um restaurante. As opções não pareciam muito promissoras, mas aí passamos por uma ruazinha não muito iluminada e vimos um casal de meia idade entrando com toda segurança em um restaurante. Demos uma espiada pela janela e as mesas estavam cheias e muito animadas. Muita gente de meia idade e logo pensei, “esse povo (me refiro às pessoas de meia idade) normalmente gosta de comer bem e todos parecem se conhecer”… “Dú, vamos arriscar esse, acho que vai ser legal”… E foi. 😀

O restaurante é o Reinthaler’s Beisl (Dorotheergasse 4, Wien 1), ambiente simples e típico, salão para fumantes e não-fumantes, eba! Como estava cheio acabamos sentando no fumantes, mas gentilmente o garçom nos mudou para o não-fumantes assim que livrou uma mesa. 🙂 Dessa vez foi o Dú quem comeu o Wiener Schnitzel que estava di-vi-no e eu fui de Goulash também muito bom!!! Não podíamos ter escolhido restaurante melhor! 😀

No dia seguinte, já com as pernas cansadas e com muita fome almoçamos em um restaurante turco ma-ra-vi-lho-so, sem exageros. O restaurante é o Etap Restaurant. E os pratos estavam tão bons quanto o ambiente. O Dú comeu uma Kafta numa cama de pão turco, molho levemente apimentado e iogurte… Uma coisa de louco de tanto sabor! E eu comi um mini raviole recheado com carne de cordeiro ao molho de iogurte, igualmente saboroso. 😛

No jantar fomos ao Vapiano, uma rede de restaurantes italiana muito bacana. O ambiente é moderno e com balcões altos. Você escolhe o que quer comer (massas, pizzas, saladas etc) e retira o que quer nas ilhas onde preparam cada especialidade. Eu diria que é um fastfood mais estilizado :-). O Dú comeu uma pizza bem feitinha e eu um carpaccio com um molho de maionese… Que depressão. Depois de muito esforço tentando tirar todo o excesso de maionese temperei com azeite, sal e limão siciliano e deu para o gasto :-(. O Dú ainda arriscou o tiramisù, mas era mais um creminho gostoso de mascarpone que um tiramisù de verdade… A identidade Italiana se perdeu em algum lugar!

Em nosso último dia em Viena estávamos a caminho do Belvedere com muita fome. Não tínhamos muitas opções de restaurante, mas nos deparamos com um Italiano com um menu de preço camarada. Entramos e ficamos de boca aberta com o ambiente e atendimento. Quando os pratos chegaram não tivemos dúvida: Somos sortudos mesmo! 🙂 O Dú comeu um raviole de ricota e espinafre ao molho de queijos e eu um gnocchi verde com recheio de queijo ao molho de mascarpone e açafrão. Por Deus, o que era aquilo? Não satisfeitos, pedimos um tiramisù… Sem comentários! Ah! O restaurante é o Diverso (Mommsengasse 2, 1040 Wien).

Para fechar nossa estada em Viena com chave-de-ouro, fomos beliscar no Cafe Central, considerado um dos maiores e mais antigos cafés de Viena. O site diz que o Cafe foi casa de grandes poetas, filósofos e líderes dentre tantos nomes encontra-se o do “Tio Freud” :-D, que emoção. O Cafe é realmente muito grande e agradável. O teto é abobadado e muito lindo! Bem no centro do salão um piano de calda-longa traz ainda mais charme ao ambiente, especialmente pela graça do senhor que o toca. Depois do exagero de almoço que tivemos, só beliscamos. O Dú escolheu um croquete de carne de javali e eu um caldo de abóbora com sementes crocantes de abóbora e azeite de tangerina. Um luxo! O Dú foi namorar a linda vitrine de doces e voltou com esse aí ó! 😀

O que e onde comemos em Praga

E a história continua… Muito porco e muita batata… hehehe

Logo no primeiro jantar em Praga fomos a um restaurante típico e muito bem avaliado e nos demos muito bem! Logo que chegamos um casal de senhores na mesa ao nosso lado recebeu seus pratos, ele um belo joelho de porco, ela uma bela costela de porco. Nós pedimos o mesmo, e só invertemos os pratos, eu um belo joelho de porco, Dú uma bela costela de porco. Não há palavras para descrever a textura e sabor dessas maravilhas. Só indo para conferir. Pratos muito bem servidos, carnes mais do que macias, tempero muito especial, só queria mesmo que meu sogro estivesse lá comigo. Ele, assim como eu, adora uma carninha de porco e o meu joelho estava uma coisa de louco! Anote aí: o restaurante é o U Pinkasu. Imperdível!!

Dia seguinte estávamos passeando pelo palácio de Praga (MA-RA-VI-LHO-SO!!! Só o dia estava meio nublado 😦 ) e rodamos pelos arredores a procura de um restaurante. Caímos no Restaurant U Labutí. Ambiente legal, tudo com muita madeira e o teto em forma de abóbada: LINDO! Na parede algumas telas… bem… para o nosso gosto, horrendas. Umas mandalas mega manjadas… Nada a ver! Mas a comida é o que importa, certo? Atacamos de pratos típicos! O Dú comeu uma carne de porco com um molhinho bem suculento, geleia de frutas vermelhas e fatias de dumplings com bacon, claro! Estava muito saboroso. E eu fui de Wiener schnitzel, um belo escalope de porco empanado com purê de batatas e bacon (claro!), um típico prato austríaco. E para encerrar um apfelstrudel gostoso.

Como já estávamos em um ritmo assustador em termos de comidas gordurosas, apostamos em um jantar mais leve. Fomos ao Blatnička Slovácká Vícha (Michalská, 511/6), o salão fica no subterrâneo e a parte (bem) chata é que é permitido fumar! Juro que não consigo entender por que os fumantes têm mais direito do que quem não fuma. Será que eles não percebem que querendo ou não eles estão desrespeitando o meu espaço com a m**** da fumaça! Argh! Anyway, depois de termos nosso olfato prejudicado atacamos de frango com molho de vinho e cogumelos e uma levíssima truta, o Dú e eu respectivamente. 🙂

Mas no almoço do dia seguinte não fomos tão parcimoniosos, não! Atacamos umas costelas de porco lin-das no Restaurace Klementinum (Kozi 803/12, Praha 1, 110 00, Tel.: 222 212 697). Ah! E de entrada uma tábua de queijos muito boa! 😀

Com o sentimento de culpa batendo à nossa porta queríamos nos redimir com um jantar leve, na verdade só queríamos algo para beliscar. Rodamos, rodamos e paramos no Fusion Cafe-Bar (Husova 232/10). Um Café-Bar moderninho, mas que precisa muito aprimorar seus pratos. As opções são boas, mas o preparo fica muito à desejar. O Dú comeu uma bruschetta que era uma fatia de pão com um monte de tomates em cima e mais nada! E o meu carpaccio, bem, já comi, ou melhor, deixei de comer muito piores, mas esse ainda tem muito o que melhorar. 😦

Procurávamos um lugar sem cigarro para comer, mas foi quase impossível. Aí decidimos ir no Cafe ~ Cafe, pois tínhamos visto boas indicações, e cigarro-por-cigarro ficamos em um com um ambiente beeem legal e comidinhas muito interessantes. O Dú comeu um risoto interessantíssimo de camarão chili-agridoce e eu comi um toast de atum bem leve e saboroso. 😀 O lugar é muito bacana e para quem adora um sobremesa, vai pirar. A vitrine de doces é linda de morrer. Mas dessa vez, nos controlamos.

No nosso último jantar, resolvemos ficar por perto do hotel e fomos no Mozaika Prague Restaurant. Também vimos boas referências e resolvemos apostar! O ambiente é muito bonito, bem moderno, mas aconchegante ao mesmo tempo. A cozinha é internacional o que faz o cardápio ser bem variado. O Dú foi de salmão com purê de bata com wasabi e eu de sushi de salmão. A apresentação dos pratos é bem caprichada, mas o sabor não responde à beleza. E o arroz do sushi estava bem mal cozido. Acabei dando o feedback quando o garçon retirou os pratos e gentilmente recebemos a sobremesa como cortesia, a qual estava per-fei-ta. Esse é um restaurante que tem futuro, mas definitivamente precisam investir mais no chef.