Archive | junho 2010

E a família? Cresce!

Hoje recebemos a linda notícia do nascimento de mais uma sobrinha.

Chegou ao mundo no último dia 24 a pequena Ayumi, filhinha do Alex e da Kenia. E os avós babões nos deram a notícia cheios de entusiasmo e amor… E daria para ser diferente? 😀

Mesmo através da distância enviamos as mais amorosas vibrações para a pequena Ayumi. Saúde, alegria, harmonia e muito desenvolvimento é o que os titios de longe desejam.

♥ Pequena, nós já te amamos! ♥

Anúncios

Leiden

Depois de muito andarmos pelo Keukenhof, pegamos o ônibus de volta à Leiden e demos uma voltinha pela cidade. O dia estava lindo mesmo com o vento geladinho!

Mais uma cidade pequenina, mas muito charmosa. Paramos em um dos diversos bares na beira do canal e tomamos uma cervejinha, vinho rose e um camarão empanado delícia! Recebemos até uma visitinha inusitada. 🙂


O passeio também nos rendeu algumas fotos divertidas! 😛

Simplesmente Keukenhof

Nesse post me isento de palavras… As imagens, cores, contrastes, sutilezas e vibrações falam por si só.

😛

Delft, Holanda

Mais uma decisão no susto e… Vamos viajar!

Queria muito ir visitar o Keukenhof, famosa exposição de tulipas que anualmente ocorre na Holanda. Foi como o meu presente de aniversário. 😀

Tinha um ônibus que saia de Leuven às 7 da matina, fazia um percurso louco e chegava lá lá pela 1 da tarde, mas decidimos fazer outra coisa: Pegamos um trem com destino à Delft, a famosa cidade das porcelanas pintadas à mão em azul. Assim aproveitaríamos para conhecer Delft, depois em 30 minutos (de trem) iríamos para Leiden, também conheceríamos a cidade e em mais trinta minutos (de busão) chegaríamos no Keukenhof! Essa foi uma decisão mega boa! 😀

Chegamos por volta de 19hs em Delft e para nossa surpresa o hotel era um mega hotel (Hampshire)… hehehe… Deixamos as coisas e fomos bater pernas. Essa é uma das grandes vantagens da primavera/verão na Europa…Anoitece beeem tarde!

A cidade é muito lindinha. Super pequena, bem parecida com Amsterdam, canais por todo o lado e muito tranquila, talvez porque fosse dia de semana e véspera de feriado.

Paramos para jantar no Café Restaurant Royal. Comidinha boa, ambiente bem rústico (tinha até um quadro de uma vaca em cima da lareira 😉 ) e o mais legal é que parece que todos se conhecem. Todos que entravam cumprimentavam quase todo mundo que estava lá. O povo mudava de mesa para bater-papo e tinha alguns que entravam, cumprimentavam todo mundo, tomavam uma cervejinha do bar e iam embora… Coisas de cidade pequena. 😛

Tiramos algumas fotos da noite em Delft e fomos para o hotel descansar, pois no dia seguinte rumaríamos à Leiden/Keukenhof. Ao chegarmos ao hotel nos demos conta que esquecemos a pasta de dente… ai… pelo menos tínhamos um fio dental para quebrar o galho. 😆

Segundo dia foi dia de Keukenhof e Leiden, mas esse é um causo para outro post. 😉

Terceiro dia passeamos por Delft. Era um sábado e a cidade estava super movimenta e para a nossa sorte estava rolando uma feira de antiguidades, como aquelas da Benedito Calixto, à beira dos canais… Um charme!

Vimos também uma criança e um dos vendedores da feira usando o sapato de madeira tão característico da Holanda. Lindinhos!

Visitamos as igrejas Velha e Nova (Oude Kerk de 1246 e Nieuwe Kerk de 1351… e ainda a chamam de nova 🙂 ), lindas! E os órgãos então?! E como somos mega sortudos, enquanto visitávamos uma delas, começaram a tocar o órgão… Mágico! Senti como se as notas musicais fossem um belo e singelo bálsamo. Obrigada Deus!

Paramos para um almoço rápido e bem gostoso ao Sol. Ah! O Dú já contou sobre a cerveja que ele tomou nesse post aqui.

Logo depois fomos para a estação para voltarmos para Leuven, mas antes uma paradinha da padaria para comprarmos mais duas tortinhas de castanhas que havíamos experimentado quando voltávamos de Leiden no dia anterior. 😀 Prazeres da vida!

Ah! Mais uma curiosidade: Assim como em Leuven e Amsterdam as bicicletas estavam por todo lado. Encontramos até um guardador de bicicletas que parece um daqueles potes de pão de forma, manja?

Uma pequena surpresa

A pequena Camila, filhinha da Paz, nasceu em 16 de Dezembro, nesse último dia 16 ela completou 6 meses de vida! Lindinha!

Shereen e eu resolvemos preparar uma pequena e singela festinha surpresa! A primeira de muitas da pequena Camila.

Enfeitamos a casa com algumas bexigas coloridas, um chá geladinho para nos refrescar nessa tarde quente e uma torta de chocolate fondant delícia, porque ninguém é de ferro, vamos combinar! 🙂

A Paz ficou de passar em casa para deixar algumas coisas e pegar outras às 15h30, então a Shereen chegou às 15h15. Mas nossa querida amiga é assim… meio enrolada… chegando em casa próximo das 17h20 e… Surpresa!!!!

Olha a carinha de feliz delas

As cores encantam os pequenos

Mamãe e tia Shereen orgulhosas 🙂

Fala sério se não dá uma vontade incontrolável de morder essa gostosura?

Comemorando

Sexta passada foi aniversário do Dú e para comemorarmos marcamos com o pessoal do MBA na Stuk, um “centro cultural”, mega pertinho de casa, que tem um bar super legal!

Tivemos um jantarzinho gostoso e rumamos para a Stuk. Estava bem movimentado, também porque às segundas, quartas e sextas, tem sessão se cinema de graça ao ar livre, super legal. Mas para nossa surpresa às 10h30, quando o filme começou, apagaram as luzes do bar, todos viraram suas cadeiras na direção do telão, o falatório cessou e o bar era a terceira “sala” de projeção…. Micão! 😛

Ah! O micão foi ainda maior porque o filme era sueco com legenda em holandês… hehehe

Rumamos para um bar já tradicional da turma, o Bipbop, e lá nos divertimos muito. E quando chegamos em casa, umas 2h30, ainda falamos com minha irmã e família. Lindinho ver o Henrique falando parabéns para o Dú! 😀

Dú, Javiera (brasileiro e chilena) e muitos copos de cerveja

Wives Club, Shereen, Paz, eu e Daniele (jordaniana, argentina, brasileira e americana)

Reggie, Tomasz, Lihn, Dú, Javiera e Sandeep (americano, polonês, vietnamita, brasileiro, chilena e indiano)

The Jordanian sandwich… Fátima, Goran e Raed (jordaniana, esloveno e jordaniano)

Orestis, Olivia, Silvia, Lihn, Tomasz, Francis, Hjörtur, Javiera e Shereen (grego, indonésia, costa-riquenha, vietnamita, polonês, americano, islandês, chilena e jordaniana)

Dú e eu 🙂

Shereen, Raed, Dú e Alexandru (jornanianos, brasileiro e romeno)

Comemorando a estréia do Brasil na copa

Estávamos ansiosos para ver a estréia do Brasil na copa, mas tenho que admitir que estava ainda mais ansiosa para experimentar o Spaghetti al Nero di Seppia. Na verdade namoro esse danado desde quando chegamos na Bélgica e conheci uma loja delícia chamada Oil & Vinegar… Só tem coisa boa, mmmh!

O problema é que nem tudo que é bom é para o nosso bico e esse danadinho custa, nada mais, nada menos, que €6,95… Deu para entender porque enrolei tanto para comprá-lo?

Mas tudo começou quando via a receita de Papardelle com Camarões e Tangerina, feito pela Letícia Massula, da Cozinha da Matilde e fotografado pela Gabi Butcher, do DiaPositivo. Rodei todos os quatro supermercados da cidade… heheh… e nada de tangerina, mas achei uns camarões supimpas mais baratos que carne e salmão… heheh… Aberta a temporada de camarões na mansão dos Longo! 😀

Pesquisa vai, pesquisa vem e comprei o Spaghetti. Sem tangerinas parti para outra experiência e segui a receita da Marcele Martins, do Cozinha Pequena. Simples, rápido e rasteiro… Nos lambuzamos… Literalmente!

A massa por si só já é muito rica. A cor preta vem da tinta da lula, o que lhe atribui um aroma de frutos do mar. Massa perfeita para acompanhar peixes e frutos do mar. Camarões, azeite (do bom, sempre), alho e vinho branco… Não tem como dar errado. Quando adicionei o vinho, achei que seria demais, mas foi na medida certa. Amei!

O bom é que ainda tenho 2/3 da massa… heheh… Pesquisando outras duas alternativas de prato… 😛

Ah, é… A estréia do Brasil… Deixou a desejar!!! Mas o meu Spaghetti… Mmmh!

Final Feliz

Hoje acordei cedo, dei comidinha e água para meu pequeno hóspede e me arrumei para levá-lo para passear.

Coloquei-o em uma caixinha menor para poder facilmente carregá-lo e lá fomos nós dois. Primeiro passamos na Vlerick (a escola com o Dú está fazendo o MBA), pois tinha que tirar cópia de dois documentos… E foi lá que tudo começou. Enquanto subia as escadas o bichinho começou a piar e todos ficaram me olhando com um olhar: “What the hell is that?“… E foi assim até o fim da minha jornada.

No caminho para a estação de trem o patinho não parou quieto, quando não piava, pulava. Até o momento que pulou tão forte que ficou com a cabeça presa entre as abas da caixa de papelão. Pode uma coisa dessas? E eu achando que ia matar o coitado.

Na estão de trem, no trem, na estação de metro, no metro e na rua todos me olhavam segurando a caixinha com cuidado e acho que pensavam que eu era uma terrorista até ouvirem um piadinho bem fininho, aí a expressão mudava para: “What the hell is that?” 🙂 Nunca me diverti tanto sozinha!

Ufa! Depois de 1h30 cheguei ao CROH, a instituição que recebe animais silvestres que o amigo belga do Dú indicou. Fui recebida por uma senhora que não falava inglês, então tentei o francês, mas a senhora ficou tão feliz quando viu o patinho que desparou a falar de um jeito que não pude entender lhufas… Pediu para seguí-la e chegamos a um corredor forrado de gaiolas em uma das paredes. Uma outra senhora estava lá. A primeira comentou algo em francês (mas pela euforia foi impossível entender) e a segunda senhora abriu um, sorriso enorme. Nessa hora me perguntei: “Nossa mas que diabos está acontecendo que elas estão tão felizes!” Foi então que apontaram para uma gaiola e quando olhei… mmmm… Era o irmãozinho do patinho! Igualzinho! 😀

A senhora não teve dúvida, abriu a caixinha que estava ainda na minha mão, pegou o pequeno e o colocou na gaiola junto com o irmãozinho. Se movimentaram rapidamente e pararam, um de frente para o outro, como se estivessem se reconhecendo. Nessa hora tive certeza que fazer o bem, fazer aquilo que o seu coração lhe diz, vale muuuito! Fiquei muito, muito feliz! E as senhoras também, agora um faz companhia para o outro. 😛

E esse foi o final, ou o começo, de uma história feliz!

O pato da vez

No começo da nossa jornada em Leuven salvamos um pato adulto que estava no meio da rua, mas agora nós dois nos tornamos patos! 😀

Estávamos passeando por umas ruas que não frequentamos muito para descobrir outras opções de restaurantes/bares aqui por perto. Quando olhei para o córrego que corta a cidade vi um patinho, bem patinho. O coitadinho tentava nadar contra a correnteza que não é lá essas coisas, mas como ele é muito pequenino, não estava dando conta do recado.

Na margem contrária a que estávamos tinha uma construção e a margem era mais baixa. O patinho percebeu que bem pertinho dessa margem a correnteza era menor e lá ele estava conseguindo avançar um pouco. Corremos para o outro lado, o Dú segurou um dos meus braços e eu me abaixei bem para pegar o pequeno que estava exausto. Primeira tentativa frustada. O coitado se assustou e se afastou da margem, se afastando com velocidade de nós já que pegou correnteza mais forte. Esperamos um pouco mais, ele voltou para perto da margem e ao se aproximar, fomos mais certeiros. Pegamos o pequeno!

Quando o pegamos, percebemos que ele é ainda menorzinho do que imaginávamos. Deve ser bem filhotinho mesmo. O embrulhamos em um jornal e fomos em direção ao parque que fica atrás da nossa casa. Lá tem um laguinho e vários patos. Pensamos em deixá-lo lá… Alguma pata com instinto maternal deve saber melhor como cuidar dele. Mas para nosso azar os patos não estavam lá. Perguntamos à algumas pessoas se conheciam alguma instituição que recebe animais e nada!

Voltamos para casa, com o patinho, o colocamos em uma caixa de papelão forrada com jornal e a luminária bem em cima, para manter o coitadinho aquecido.

O Dú enviou um email aos colegas belgas e aos que vivem há mais tempo aqui para ver se conseguimos alguma luz! O que fazemos com o patinho, além de uma pato de pequim quando estiver grande e forte? 😛

Eu pesquisei o que ele poderia comer. Fiz uma papinha de pão com água e coloquei na caixa para ele.

Em pouco tempo a caixa estava toda cagada e ele já tinha comido quase metade da papinha. Agora refeito do susto, alimentado e aliviado (sim, sim me refiro ao intestino :-D) ele começou a pular na tentativa de escapar…. Pulinhos e piados… Ai, ai, esse novo hóspede é uma coisa. 😛

Amanhã vou à Bruxelas levá-lo a uma instituição que um dos belgas indicou… De trem é claro. Eu e o pato! 😉


Agora estamos assistindo ao jogo Alemanha e Austrália, comendo pipoca e nosso amiguinho continua a pular. 😛

Copa do Mundo 2010

É interessante ver quanta gente por aqui gosta de futebol. Gente de todos os países, não apenas daqueles que “tem tradição” no esporte. Assim, nada mais natural que estejam super-animados com o início da Copa. Claro que alguns ainda lamentam que seus países não conseguiram se classificar, mas faz parte do jogo.

Fiquei curioso para saber quantos países que estão jogando tem pelo menos um “representante” na nossa turma do MBA. Usei um mapa bem bacaninha do iG (o original está aqui) e deixei em cores apenas as bandeiras dos países com “representantes”.  Resultado: 15 de 32 países tem pelo menos uma pessoa no nosso grupo.

Com tanta gente torcendo para tantos times diferentes, será muito divertido assistir aos jogos!

Update: hoje meu pai me mandou o link de um calendário super legal e diferente da Copa, vale a pena conferir. E pelo menos neste calendário a Eslovênia está no lugar certo!