Archive | fevereiro 2010

Passeando por Liège

Esta semana fui à Liège com a Paz (minha amiga argentina), sua filhinha de 2 meses, sua sogra e sua norinha de 14 anos.

Liège fica à 70km de Leuven e fizemos uma viagem bem tranqüila.

Na verdade tudo começou porque a sogra e a norinha da Paz, haviam voltado da Inglaterra e estavam estarrecidas com a loja Primark. Uma mega loja, super famosa na Inglaterra, e super barata. Super mesmo, você acha blusas por 3 euros.

Quando chegaram aqui ficaram pesquisando sobre a loja e descobriram que acabaram de inaugurar uma aqui na Bélgica, em Liège. Para lá elas foram e me levaram junto… Eba!

Passeamos um pouco pelo bucólico centro histórico de Liège, fizemos um lanche rápido, tiramos fotos, como todo bom turista e esbarramos com muita gente que fala espanhol pelas bandas de lá, e, finalmente,  fomos em busca da loja. É verdade que paramos duas vezes para pedir orientação. A primeira arrisquei no francês e meio que entendi :?. No meio do caminho paramos de novo e lá fui eu arriscar o francês novamente, mas a senhora falou com tanta segurança que era na própria rua que estávamos que eu não pude acreditar que estava realmente entendendo. Então ela, gentilmente, chamou um rapaz que falava inglês e ele confirmou o que eu havia entendido. Que legal, pelos dois motivos: realmente entendi o que a senhora explicou e estávamos bem pertinho. Ufa! 😉

Chegamos! É um shopping gigante recém inaugurado e a loja é bem grande e, tenho que admitir, bem barata mesmo. Bem, nem preciso dizer que ficamos a tarde inteira lá e quando nos demos conta já eram 19h30.

Tomamos um sorvete maravilhoso na Häagen-Dazs, enquanto a sogra da Paz fechava suas contas e voltamos para casa.

Que tarde divina!!! Boa conversa, ótima companhia e muita alegria! 😛

Anúncios

Tiramisù Irlandês

Gastronomia em alta!

Para aqueles que acompanharam nossos relatos sobre o que comemos em nossa viagem pela Itália, devem ter percebido que adoramos tiramisù.

Ainda no Brasil fiz uma vez a receita do tiramisù do livro da Nigella. E ficou divino!

Depois de muita peregrinação pelos mercados dessa cidade achei o cacau em pó e ontem fiz o nosso tiramisùùùùù…. Mas acho que errei nos cálculos e usei uma forma maior do que deveria.

O resultado foi: sabor igualmente divino ao que fiz ainda no Brasil e aos melhores que comemos na Itália, mas como fiz metade da receita e a forma era maior do que deveria, faltou creme… Na próxima (breve) vez que fizer a receita será na mesma forma, mas a receita inteira!

  • 350ml de café expresso frio, feito com 350ml de água e 9 colheres (chá) de pó para café expresso instantâneo
  • 250ml de licor Baileys
  • 400g de biscoito inglês
  • 2 ovos
  • 75g de açúcar
  • 500g de mascarpone
  • 2 1/2 colheres (chá) de cacau em pó
  1. Misture o café com 175ml de Baileys numa vasilha rasa.
  2. Mergulhe os biscoitos nesse líquido; molhe de cada lado, até que fiquem úmidos, mas não encharcados. Forre o fundo de uma fôrma quadrada de 22cm com uma camada de biscoitos.
  3. Separe os ovos e descarte uma das claras. Bata as duas gemas com o açúcar até que engrosse e se transforme num creme claro. Misture os 75ml restantes de Baileys e o mascarpone, até adquirir uma consistência de musse.
  4. Bata a clara de ovo até endurecer; você pode bater na mão sem muito esforço. Junte a clara batida no creme de gemas e mascarpone e espalhe metade da mistura sobre a camada de biscoitos.
  5. Por cima, coloque outra camada dos biscoitos umedecidos e cubra com o restante do creme de mascarpone.
  6. Cubra com filme-plástico e leve à geladeira de um dia para o outro. Quando for servir, peneire o cacau em pó com um coadorzinho de chá sobre todo o doce.

Rende aproximadamente 12 porções.

Pasta com tomates, cebola, cogumelos e alcaparras

Essa semana preparei uma massa diferente. hummm

Acho que o filme Julie & Julia me inspirou. 😀

Na verdade fui para o fogão com outra idéia na cabeça, mas quando abri a geladeira e me deparei com alguns ingredientes, quis inovar. Cozinhar é uma delícia, mas variar e criar é ainda melhor. Especialmente se nossas invenções dão certo! hihihi

Bom, a receita foi a seguinte:

  • 250g de fusilli tricolore
  • 1/2 cebola picada
  • 2 tomates sem sementes picados em pedaços grandes
  • 8-10 cogumelos frescos fatiados fininho
  • 30g de alcaparras
  • azeite
  • sal
  • pimenta do reino preta
  1. Coloque a pasta para cozinhar, de acordo com as instruções.
  2. Em uma frigideira larga frite a cebola no azeite. Quando fritas, levemente douradas, acrescente os cogumelos fatiados e deixe-os fritando. Eles vão absorver todo o azeite restante e quando já estiverem murchos acrescente os tomates.
  3. Deixe refogando. Quando os tomates começarem a derreter acrescente as alcaparras.
  4. Por fim, sal e pimenta a gosto.
  5. Sirva imediatamente com uma bela regada de azeite e uma boa salpicada de parmesão ralado grosso.

Bon Appetit!

Julie & Julia

Esta semana recebi a visita da minha amiga jordana, a Shereen. Para tudo na vida existem razões e, dentre tantas razões da nossa vinda para cá, conhecer a Shereen definitivamente é uma delas.

Uma pessoa doce, amável, inteligente, sensível e muito, muito querida. Foi fácil criarmos laços profundos e cada vez que estamos juntas nos divertimos e aprendemos muito, uma com a outra!

Bem, mas hoje enquanto trocávamos receitas e conversávamos ela comentou sobre o filme Julie & Julia.

Me indicou onde poderia assistir e lá fui eu. AMEI! É lindo, sensível e super temperado. Tudo o que eu poderia querer… ver a experiências de duas mulheres em diferentes épocas e que por diferentes motivos se dedicaram à culinária.

Mas o lado ruim dessa doce história é que só pude assistir metade do filme…. A outra metade “não estava mais disponível”. Isso que dá fazer “coisas desse tipo”….

Semana que vem passo na casa da Shereen para conversarmos e para pegar a outra parte do filme… hehehe

Mas amizade é isso, sem motivo, sem preferência, mas cheia de sabores diferentes e intensos! Delícia!

Onde e o que comemos em Florença

Definitivamente nossa melhor experiência gastronômica!!!! Tudo foi divino. 😀

Nossa viagem aos infindos sabores da Toscana começou em 29/Dez. Logo que chegamos e nos acomodamos, super bem aliás, saímos para bater perna.

Munidos de um super mapa e das indicações das melhores sorveterias de Florença, segundo Mari Campos do blog Saia pelo Mundo, começamos a desbravar Florença.

Logo de cara paramos na sorveteria Santa Trinitá (Piazza Frescobaldi, 11R). A que ficou com o terceiro lugar no ranking da Mari Campos. O Dú experimentou os sabores café e chocolate meio amargo, verdadeiros creeeeemes, super consistentes e de sabor muito marcante. Eu fiquei com o de morango… A sensação é de que eu estava comendo a própria fruta. Super saboroso! Humm, nos demos bem já de cara.

Mais à tardinha paramos no Caffé Calimala (Via Calimala, 23r). Se localiza em uma das avenidas principais do comércio. O Dú tomou um caffe freddo e eu um caffellatte. E para acompanhar comemos um canolo siciliani simplesmente divino. O lugar é bem charmoso, mas apertadinho.

Enquanto voltávamos para o hotel fomos procurando restaurantes. Pesquisamos na internet e acabamos ficando com algumas boas opções. Resolvemos jantar nessa primeira noite no Olio & Convivium (Via Santo Spirito, 4).  As avaliações que achamos eram bem altas e conferimos que estavam certas! 😉

O restaurante é super sofisticado. Com muitos garçons e todos super entendidos, tanto do cardápio quanto dos vinhos. As mesas estão rodeadas por estantes com váááários vinhos exposto. Uma delícia de ambiente. O preço é mais salgadinho. Mas como exageramos apenas de vez em quando… Valeu à pena.

O Dú comeu um risoto com menta e alcachofra e eu carne de rabo ao molho de cacau e alcachofra… Não consigo descrever a maravilha que estava o meu prato. Nem quis experimentar o do Dú. Acho que nunca comi tão devagar na minha vida… Queria apenas ficar saboreando aquela delícia e prolongar o quanto eu conseguisse aquela experiência. Que Divino!!!

No dia 30/Dez estávamos caminhando e resolvemos arriscar um restaurante que parecia ser bem aconchegante, e era mesmo. 😉 Il Desco (Via Cavour, 29). Na verdade é o bistrot do hotel Il Guelfo Bianco, mas só descobrimos depois. O bistrot é uma delícia, muito aconchegante e agradável. Os garçons (dois) eram super simpáticos. E ainda estava tocando música brasileira. Era o CD de um artista italiano que tinha gravado grandes sucessos da Bossa Nova. Uma delícia. Mas não apenas o ambiente estava bom. Pedimos, o Dú um tagliarini ao molho vermelho e eu um tagliarini com alcachofra… Água na boca. E para acompanhar tomamos um “Super Tuscan”, denso e muito vigoroso! O termo Super Tuscan descreve qualquer vinho tinto toscano que não obedeça às leis de mistura tradicional da região… Os rebeldes… hehehe

Como não somos de ferro, à tarde tomamos um gelato na gelateria classificada em terceiro lugar. Grom (Via del Campanile angolo via delle Oche), como as demais uma gelateria com muuuitos sabores e bem apertadinha. O Dú saboreou o gelato de Zabaione e eu cioccolato extranoir e Bacio. Meu Pai Eterno! Que sabores!

No jantar fomos ao Dante (Piazza Nazario Sauro, 12r). Um típico restaurante com massas, pizzas e frutos do mar. Dessa vez ficamos com os camarões ao azeite… Perfeitos. Para acompanhar uma massinha de pizza bem fininha assada e regada ao azeite, aspargos e um vinho branco da casa, parecia até um frizante. Não é o que mais me agrada. Mas no geral uma delícia. 😉

Dia 31/Dez foi outra perdição gastronômica. Tomamos um gelato na gelateria de número um… Merecedíssima primeira posição. Não que os demais não fossem bons, mas esse se superou! Perche’no! (Via Tavolini, 19r)… Que gelato! O lugar é ainda mais apertadinho, mas transborda de sabor. O Dú experimentou o Pistacchio e Castagna (castanha portuguesa) e eu Crema e Cheese Cake. DI-VI-NOS!!!

Antes de irmos para a visita guiada pela região de Chianti fizemos um pit stop no Pitti Gola e Cantina (Piazza de’Pitti, 16). Fica bem enfrente ao Museo Pitti. Super gostoso. Bem pequeno, mas com uma variedade incrível de vinhos, inclusive com vinhos exclusivos. Comemos uns queijinhos deliciosos e experimentamos dois vinhos muito bons, mas acabamos por não anotar os nomes. 😦

Na virada fomos à Osteria Santo Spirito (Piazza Santo Spirito 16r). Fica na mesma praça onde estávamos hospedados. Só atravessamos a rua e lá estávamos. Isso foi muito bom, especialmente porque chovia muito… Bem, em praticamente todos os restaurantes um item indispensável no cardápio era a bistecca alla fiorentina. Mas como ela é muito grande, cerca de um quilo, sempre deixávamos para depois. Pois bem, nessa noite resolvemos arriscar.

A guia do nosso passeio da tarde explicou que esse é um corte muito especial, pois deve ter nem mais, nem menos que 3,5 centímetros de altura. Lenda ou não, a danada é maravilhosa.

De entrada comemos um queijinho pecorino com salame de javali. Divinos! Depois veio a magnífica bistecca alla fiorentina. Quando a garçonete trouxe ela levou para a mesa ao lado e perguntou se eles haviam pedido A Bisteca, o rapaz literalmente com água na boca respondeu: “Oh! Unfortunately not!” hihihi E ela veio deslumbrante para a nossa mesa! 😀

Como se não bastasse pedimos um Vin Santo com Cantuccini. São biscoitos de amêndoas, bem secos e duros, os quais são imersos no Vin Santo (um vinho de sobremesa) por exatos 20 segundos (outra explicação da nossa guia) para só então você saboreá-lo. Que desespero. Mesmo eu não sendo muito chegada a vinho de sobremesa, é doce demais para o meu paladar, com o cantuccino fica delicioso. hahaha Que virada de ano!!!

Começamos o ano almoçando na Osteria Del Porcellino (Via Val di Lamona, 7). Definitivamente nada demais. O Dú comeu uma lasagna que estava boa, mas era um pouco pequena e eu comi um penne 7 pecados, ao molho vermelho, bastante cebola e levemente apimentado. É, nada demais!

À tarde, por puro olho gordo meu, paramos na Marchetti Stefania, fica em uma das avenidas principais e é um lugar para lanches rápidos. Mas eu vi na vitrine uma caneca com Morango e chantili, que eu sabia serem apenas morangos e chantili, mas o olho gordo foi maior… Que desespero!

Finalizamos nossa jornada por Florença no Il Santo Bevitore (Via Santo Spirito, 64/66r).  Um restaurante super badalado, moderno e bem disputado. Sem reserva é impossível comer lá. Mas no último dia fizemos reserva e lá estávamos. Começamos com uma degustação de frios espetacular. O Dú comeu um Bue Marinato, um carpaccio marinado, delicioso e eu um Millefoglie di crepes, uma torta mil folhas com lentilhas. Para acompanhar um vinho Madiere. Encerramos a noite com um belo Crème Brûlée… Não tinha tiramisù. 😉

Ah! Nesse restaurante aconteceu uma coisa muito engraçada. Primeiro a garçonete, super simpática, perguntou de onde éremos. Depois chegou uma casal que se sentou uma mesa ao nosso lado e logo notamos que eram brasileiros. No meio do jantar, a brasileira pergunta para o senhor que se sentava na mesa entre nós o que ele havia comido e esse por sua vez, respondeu em português. Então começaram a conversar… Quando a garçonete notou, nos dedurou: “Eles também são brasileiros”. Aí foi a maior confusão. O senhor da mesa ao nosso lado era italiano, mas viveu muitos anos no Brasil. Foi praticamente meu vizinho. Morou na Vivaldi e falava dos lugares que lembram a minha infância. Já o outro casal, eles são de Goiânia e estavam comemorando o aniversário de casamento, visitando novamente a Itália… Que mundo pequeno!!!

Pasta com limão, alho e cogumelos

ADOOOORO cozinhar, mas tenho que dizer que para o dia-a-dia nada melhor do que receitas fáceis, rápidas, mas deliciosas! 😉

E para facilitar a minha vida tenho um dos livros da Nigella Lawson e sempre dou uma espiadinha no site dela para ver as novidades. E não é que a mulher é danada mesmo?! As receitas são muito boas e simples de fazer. E com as receitas dela acontece algo raro: eu mudo pouca coisa ou quase nada. 🙂

Ontem fizemos o Lingüine com limão, alho e cogumelos. Mas como não tinha lingüine fiz com o fusilli mesmo e ficou uma delícia!

A receita é a seguinte:

  • 225g de cogumelos paris frescos
  • 80ml de azeite de oliva extra virgem
  • 1 colher (sopa) de sal Maldon ou 1 1/2 colher (chá) de sal comum
  • 1 dente de alho pequeno amassado
  • suco e casca ralada de 1 limão (de preferência, siciliano)
  • 1 colher (chá) de folhinhas frescas de tomilho
  • 500g de lingüine
  • 1 punhado de salsinha fresca picada
  • 2 a 3 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado ou a gosto
  • pimenta-do-reino moída na hora
  1. Corte os cogumelos em fatias finas e ponha numa vasilha grande com o azeite, o sal, o alho, o suco e a casca do limão e as folhas maravilhosamente perfumadas do tomilho
  2. Cozinhe a massa de acordo com a instrução da embalagem. Escorra, mas deixe sobrar um pouco da água do cozimento com o macarrão. Rapidamente, ponha o lingüine na vasilha com a mistura de cogumelos
  3. Mexa tudo muito bem. Junte a salsinha, o queijo ralado e a pimenta-do-reino a gosto. Mexa bem outra vez e coma com o coração cheio de alegria

Rende 4 a 6 porções.

Hum… Ficou divino!

Feijão! A deliciosa e simples tradição!

Já já completará seis meses que estamos na Bélgica. Mal podemos acreditar que o tempo passou, e continua a passar, tão rápido!

Pois bem, há algumas semanas comprei um pacote de feijão, que só encontrei em um mercado “exótico” aqui perto (até massa de pão-de-queijo tem lá). Mas como não tenho panela de pressão estava enrolando para cozinhá-lo.

Essa semana tomei coragem e fui à batalha! Depois de mais de 20 horas de molho, coloquei-o para cozinhar, acreditando que em uma hora o negócio estaria pronto. Ledo engano. Foram duas horas e meia para ele ficar meio cozido…. Que sufoco! Mas não terminou aí, não. Temperei o bendito e foram mais 40 minutos…

Hummm, mas quando terminou valeu super a pena! Estava, modéstia à parte, uma delícia… Me atrevo até a compará-lo ao da minha mãe… hahaha E hoje no almoço comi: arroz, feijão, ovo frito e salada… estava simplesmente uma delícia! ;-D Eita coisa boa!

Festa de aniversário surpresa

Nós, as mulheres dos MBAs, organizamos uma festa surpresa para dois dos maridos. O Raed, marido da Shereen (jordanos) e o Francis, marido da Daniele (americanos).

Durante a semana foi super divertido.Combinados o que faríamos, enviamos email para todo mundo das duas turmas de MBA convidando-os, escolhemos o lugar, pesquisamos o preço do bolo, o qual era um absurdo de caro (para 20 pessoas um bolo bem meia boca sairia por nada menos que 45,00 euros!), mas depois dessa sugeri para prepararmos uns docinhos… Sairia bem mais barato e a logística ficaria mais fácil!

Pois bem, fizemos fudge e brigadeiro, que já está bem famoso na turma! 😀

As meninas compraram chapéu e língua de sogra para animar o povo e preparamos banners com o nome dos aniversariantes. Incluímos também o nome da Daniele, pois ela também fez aniversário essa semana.

Para a nossa surpresa apareceu muuuuita gente, acho que estávamos em mais de 40 pessoas. Todos estavam super animados!

As meninas disseram para os maridos que iríamos sair nós quatro e os respectivos maridos. Então os três casais se encontraram em um bar e eles viriam nos encontrar, Eduardo e eu, no outro bar. Quando chegaram foi a maior bagunça… Que delícia ver a carinha deles! Eles nem desconfiaram! ;-D

Isto sim é uma cerveja diferente!

No último sábado jantamos em um restaurante nepalês bem simpático, aqui em Leuven mesmo. A comida estava uma delícia (vamos ver se a Fê vai escrever sobre o que comemos…) e uma das coisas mais legais de se reparar é como os pratos são aromáticos: cada prato que saía da cozinha preenchia o (pequeno) salão com aromas diferentes.

Como o número de cervejas no cardápio era bem limitado, resolvi experimentar uma cerveja…. nepalesa! Falando sério, quando eu ia imaginar que um dia iria beber uma cerveja nepalesa, na Bélgica? Não é que foi uma boa surpresa? Na verdade a cerveja – Gorkha – é boa, mas nada de espetacular: uma lager bem característica, o que a diferencia ainda mais das cervejas belgas típicas. O interessante é que a cervejaria que a produz é o resultado de uma “joint collaboration” entre uma cervejaria nepalesa e a Carlsberg, da Dinamarca, o que explica muita coisa!

O mais engraçado é que eu descobri um site chamado Nepal News que fala sobre o início da exportação desta cerveja para a Bélgica; porém, o site da própria cervejaria não funcionava! Eles devem estar muito ocupados no controle de qualidade 😀